Se você e sua comunidade desejam resolver o problema de poluição e contaminação das águas de sua bacia hidrográfica, basta procurar o MINISTÉRIO PÚBLICO de sua Comarca e solicitar providências, através de uma "AÇÃO CIVIL PÚBLICA", contra os poluidores. Não tem custo algum e suas gerações futuras vão agradecer muito!

DIA DA TERRA 2014

DIA DA TERRA 2014
O que fizermos para o nosso PLANETA TERRA será sentido e colhido pelos nossos filhos, netos e bisnetos nas próximas décadas. Poderão ser ações destruidoras ou benéficas...lembrem-se que nossas ações serão cobradas ou valorizadas por nossas gerações futuras! <\b>

Seguidores do Blog SOS Rios do Brasil

7 de janeiro de 2009

CONTAMINAÇÃO DO AQUÍFERO GUARANI CAUSA PREOCUPAÇÃO


GRAVE DENÚNCIA:

Sinais de herbicida no Aquífero Guarani

"A comunidade científica já fez vários estudos reconhecidos internacionalmente, mas ninguém, nem mesmo ONGs ou a promotoria, parece tomar conhecimento deles", afirma a engenheira química, Cristina Pasqualato, da UNAERP.

7/1/2009

Ribeirão Pretom, SP - "A contaminação do Aqüífero Guarani ainda não afetou a água consumida em Ribeirão Preto, mas temos de pensar no futuro." A afirmação é da engenheira química Cristina Pasqualato, da Universidade de Ribeirão Preto (Unaerp), cuja última pesquisa detectou, em amostras de água coletadas em áreas de recarga do Aqüífero Guarani, na região leste da cidade, traços de diurom e hexazinona, componentes de um herbicida usado na cultura canavieira.

A pesquisa Remoção de microcontaminantes de águas superficiais e subterrâneas -- a ser publicada em livro pelo Programa de Pesquisa em Saneamento Básico (Prosab), do governo federal -- também encontrou traços do herbicida no rio Pardo, que, num futuro talvez não muito distante, pode ajudar a abastecer Ribeirão Preto, hoje a única cidade com população acima de 500 mil habitantes abastecida em 100% com água do Aqüífero Guarani.

"Investigamos cinco poços de pesquisa em Ribeirão Preto, uma vez a cada 15 dias, de janeiro a dezembro de 2007, e encontramos traços do herbicida em dois deles, além do rio Pardo", diz Cristina. Por sorte, o fluxo do aqüífero na região está em direção oposta aos 106 poços artesianos do Departamento de Água e Esgoto de Ribeirão Preto (Daerp), que capta a água destinada ao consumo da população ribeirão-pretana.

De todo modo, a pesquisa de Cristina aponta o método de adsorção em carvão ativado para purificar a água. "Mas custa caro. Só a estação Alto da Boa Vista, na capital paulista, gasta R$ 30 mil por dia em carvão ativado. E nós não precisaríamos disso, se as autoridades tomassem conhecimento de estudos feitos há anos sobre o aqüífero", diz a pesquisadora. "A comunidade científica já fez vários estudos reconhecidos internacionalmente, mas ninguém, nem mesmo ONGs ou a promotoria, parece tomar conhecimento deles", afirma.

De fato, não é de hoje que se sabe da contaminação do aqüífero na região e das medidas que deveriam ser tomadas pelo poder público para mitigar os estragos já feitos e evitar novos danos ao reservatório natural.

Estudo feito há dez anos pela Petrobras em convênio com a Unaerp sobre a contaminação das águas do aqüífero pelo chorume de um aterro conhecido como "lixão de Serrana", em Ribeirão Preto, concluiu que não há riscos de contaminação da água captada pelos poços artesianos existentes na cidade.
Base da tese de mestrado de Cristina na época, o estudo apontou que restos de medicamentos, de inseticidas, de adubos e de defensivos agrícolas foram encontrados em parte das mais de 3 mil análises físico-químicas realizadas em amostras de água coletadas nas proximidades do lixão. Segundo o estudo, por sorte, o fluxo da água subterrânea, com velocidade de dez metros por ano, está em direção oposta aos poços artesianos. Além disso, o grande volume de água do aqüífero dilui tanto os poluentes que, após fluírem por 200 metros, ou 20 anos, eles passam a ter concentrações desprezíveis.

"Também recomendamos, há dez anos, que a superfície do lixão de Serrana fosse impermeabilizada, para evitar empoçamento e conseqüente infiltração de água no aterro e aumento da contaminação do aqüífero", diz a pesquisadora.

Pesquisadores que realizaram há dez anos o estudo da Unaerp e Petrobras, denominado "O Aqüífero Gigante do Mercosul", também propuseram que "toda a área de recarga do aqüífero Guarani deveria ser considerada zona de proteção ambiental máxima".
Além disso, a sugestão era que se fizesse a reposição da vegetação nativa nessas áreas.
"As áreas onde aflora o Guarani devem ser preservadas para que as águas da chuva possam abastecer constantemente o aqüífero, sem poluí-lo."

Em verdade, quase nada foi feito, pelo executivo, pelo legislativo ou pela sociedade civil organizada, para preservar um dos maiores reservatórios subterrâneos de água do planeta.

O aqüífero gigante do Mercosul atinge uma área de 1,130 milhão de quilômetros quadrados, no Brasil, Paraguai, Argentina e Uruguai. No Brasil, que responde por quase 75% da área do reservatório, o aqüífero atinge os Estados de Minas Gerais, São Paulo, Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Goiás, Mato Grosso do Sul e Mato Grosso.

Sob toda essa área, a partir de profundidades variáveis, o aqüífero tem uma espessura média de 100 a 150 metros. A água está misturada à areia, mas 20% da mistura representa o líquido precioso.
Toda a área do aqüífero Guarani já foi, há centenas de milhões de anos, um deserto. A areia que hoje está mistura à água, também na forma de arenito, vem dessa época, formada no período Triácico ao Jurássico, antes mesmo de o continente sul-americano separar-se da África, 55 milhões de anos atrás.

Em sua maior parte, o aqüífero está a grandes profundidades, recoberto por lavas vulcânicas de até um quilômetro de espessura, o que dificulta a abertura de poços. A contaminação nessas áreas também é improvável. São poucos os lugares como Ribeirão Preto, onde ele aflora e facilita o aproveitamento das águas. É são essas áreas, beneficiadas pela natureza, que requerem os maiores cuidados ambientais.

Segundo o livro "O Aqüífero Guarani", cerca de 70% da superfície da terra encontra-se coberta pelas águas, num volume de aproximadamente 1,4 bilhão de km. Deste total, 97,5% constitui-se de água salgada e apenas 2,5% em água doce.

Do total do volume de água doce (34,6 milhões de km) do planeta, cerca de 30,2% (10,5 milhões de km) pode ser utilizada para a vida vegetal e animal nas terras emersas, pois 69,8% encontram-se nas calotas polares, geleiras e solos gelados.
Ainda segundo a publicação, dos 10,5 milhões de km3 de água doce, cerca de 98,7% (10,34 milhões de km), corresponde à parcela de água subterrânea, e apenas 92,2 mil de km(0,9%) corresponde ao volume de água doce superficial (rios e lagos), diretamente disponível para as demandas humanas, que corresponde a 0, 008% do total de água no mundo.

De acordo com os dados da FAO (2002) o consumo anual de água no mundo em 2000 foi de 3,8 mil km, sendo 69% (2,6 km) destinado ao setor agrícola, 21% (783,1 km) ao industrial e apenas 10% (376,3 km) ao doméstico (consumo humano, uso sanitário, serviços urbanos municipais). Os cinco países que mais consomem água no mundo, segundo o livro, são Índia, China, Estados Unidos, Paquistão e Japão.

Fonte: Imprena MST/ Gazeta Mercantil/VILMAR BERNA - PORTAL DO MEIO AMBIENTE


INSTITUTO SOS RIOS DO BRASIL
Divulgando, Promovendo e Valorizando
quem defende as águas brasileiras!
ÁGUA - QUEM USA, CUIDA!

3 comentários:

  1. André Silvestre - Ribeirão Preto08 janeiro, 2009 12:39

    A contaminação do Aquifero Guarani por agrotóxicos dos milhares de hectares de plantação de cana do Estdo de SP é um grande absurdo.
    O que vão fazer as grandes ONGs como WWF, GREEMPEACE, SOS MATA ATLANTICA, e outras?
    O governo sabemos que não fazer nada. As nossas cidades que dependem do Aquifero, logo ficarão sem água se continuar essa contaminação.

    ResponderExcluir
  2. Livian Vieira - S. Paulo08 janeiro, 2009 15:41

    Eu acho que devemos sim cobrar do governo estadual, do IBAMA, do Ministro Minc e MMAmbiente uma grande campanha para defesa do Aquifero Gurarani.
    E deve também ser exigida uma rigorosa fiscalização da CETESB e das Prefeituras, pois se contarminarmos todo o aquifero muita gente vai ficar sem água no Estado de S Paulo

    ResponderExcluir
  3. Os nossos RIOS,Lagos e Oceanos pedem ajuda!
    Então ajude os*.

    ResponderExcluir

Seja bem vindo e deixe aqui seus comentários, idéias, sugestões, propostas e notícias de ações em defesa dos rios, que vc tomou conhecimento.
Seu comentário é muito importante para nosso trabalho!
Querendo uma resposta pessoal, deixe seu e-mail.

A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários. Portanto, não serão publicados comentários que firam a lei e a ética.

Por ser muito antigo, o quadro de comentários do blog ainda apresenta a opção comentar anônimo; mas, com a mudança na legislação,

....... NÃO SERÃO PUBLICADOS COMENTÁRIOS DE ANÔNIMOS....

COMENTÁRIOS ANÔNIMOS, geralmente de incompetentes e covardes, que só querem destruir o trabalho em benefício das comunidades FICAM PROIBIDOS NESTE BLOG.
No "COMENTAR COMO" clique no Nome/URL e coloque seu nome e cidade de origem. Obrigado
AJUDE A SALVAR OS NOSSOS RIOS E MARES!!!

E-mail: sosriosdobrasil@yahoo.com.br