Se você e sua comunidade desejam resolver o problema de poluição e contaminação das águas de sua bacia hidrográfica, basta procurar o MINISTÉRIO PÚBLICO de sua Comarca e solicitar providências, através de uma "AÇÃO CIVIL PÚBLICA", contra os poluidores. Não tem custo algum e suas gerações futuras vão agradecer muito!

DIA DA TERRA 2014

DIA DA TERRA 2014
O que fizermos para o nosso PLANETA TERRA será sentido e colhido pelos nossos filhos, netos e bisnetos nas próximas décadas. Poderão ser ações destruidoras ou benéficas...lembrem-se que nossas ações serão cobradas ou valorizadas por nossas gerações futuras! <\b>

Seguidores do Blog SOS Rios do Brasil

17 de abril de 2010

ALTO NÍVEL DE POLUIÇÃO DOS RIOS E FALTA DE REGULAMENTAÇÃO DIFICULTAM A DEMANDA DE ÁGUA EM SÃO PAULO


Bacias hidrográficas não atendem demanda de São Paulo

Representantes das principais redes de captação do estado culpam altos níveis de poluição das águas e falta de regulamentação

Representantes das maiores e principais bacias hidrográficas do estado de São Paulo reclamaram da elevada quantidade de poluentes nos rios de suas redes fluviais, durante o seminário “Disponibilidade de água para o setor produtivo – perspectivas para as bacias industrializadas”, que ocorreu na tarde desta quarta-feira (14), na sede da Fiesp.

Segundo os especialistas, esgotos domésticos, industriais e agrícolas têm dificultado o suprimento da demanda estatal, uma das maiores do País. A falta de regulamentação do processo de captação dos recursos hídricos do setor rural também dificulta a distribuição da água, pois não permite dimensionar e corrigir os pontos mais críticos.

Bacias Hidrográficas dos rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí (PCJ)

A alta demanda das águas superficiais e subterrâneas das Bacias Hidrográficas dos rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí (PCJ) coloca quase todas suas sub-bacias em situação crítica.

Foto: Paulo Segura
Luiz Roberto Moretti, secretário-executivo dos Comitês dos rios PCJ
De acordo com o secretário-executivo dos Comitês dos rios PCJ, Luiz Roberto Moretti, o problema no abastecimento público das cidades da região piora durante a época de estiagem, agravado pela grande poluição por esgotos domésticos, agrícolas e industriais.

“A maior parte dos recursos da PCJ está deteriorada. Apenas 43% das bacias estão aptos ao abastecimento”, explicou Moretti.

Segundo ele, há previsão de investimento público – dos Planos Federal e Estadual de Bacias – de R$ 1,8 bilhão para os rios, o que elevaria o aproveitamento das águas a 56%, até 2020.

“A arrecadação, hoje, é de R$ 60 milhões, que correspondem somente a dois terços do necessário para sanar a enorme demanda e manter a qualidade da água”, informou.

As bacias compreendem uma área de 1,5 milhão de quilômetros quadrados. Sua extensão abarca 58 municípios de São Paulo e quatro de Minas Gerais, regiões intensamente habitadas e industrializadas.

Bacia Hidrográfica do Rio Sorocaba

É inquestionável a abundância de recursos hídricos dos 34 municípios, contemplados pelos 12 mil quilômetros quadrados de água da Bacia Hidrográfica dos rios Sorocaba e Médio Tietê – formada pelos rios que lhe emprestam o nome.

Foto: Paulo Segura
André Cordeiro, presidente da Fund. Agência da Bacia Hidrográfica do Rio Sorocaba

Entretanto, esta “fartura” é falsa, assegurou o presidente da Fundação Agência da Bacia Hidrográfica do Rio Sorocaba, André Cordeiro. “As 16 cidades ao redor do Tietê, por exemplo, deixam de usar 90% da água do rio, porque o problema que enfrentamos não é de quantidade, mas sim de qualidade”, afirmou.

De acordo com Cordeiro, as causas da intensa poluição dos dois rios são as mesmas: como atendem regiões com forte atividade agrícola, não possuem controle da captação de recursos hídricos, pois o “setor não é regulamentado”.

A bacia hidrográfica compreende o trecho do Rio Tietê, desde o Reservatório de Pirapora até a Barragem de Barra Bonita, com 367 quilômetros de extensão e uma área de drenagem de quase sete mil quilômetros quadrados.

Bacia Hidrográfica do Alto Tietê

Foto: Paulo Segura
Maria Emília Botelho, secretária-executiva do Comitê da Bacia
O consumo de água dos 20 milhões de habitantes que circundam a Bacia Hidrográfica do Alto do Tietê força a importação de 50% dos seus recursos hídricos, sobretudo do rio Piracicaba. Mas, segundo a secretária-executiva do Comitê da Bacia, Maria Emília Botelho, mesmo todo o empréstimo de outros mananciais não é suficiente para suprir as exigências da região.

“Estamos vivenciando uma situação muito crítica. A falta de água está acirrando ainda mais os conflitos entre os diversos setores que dependem dela”, avaliou. A demanda total da bacia chega a 85 metros cúblicos por segundo. “Não possuímos gestão efetiva da água subterrânea, o que piora muito as coisas”, ressaltou Botelho.

Ela está situada predominantemente no sudoeste do estado. Engloba os municípios de Salesópolis e Itaquaquecetuba e se estende até a barragem do reservatório de Pirapora. Sua área de drenagem é superior a 5 mil quilômetros quadrados.

Bacia hidrográfica do rio Paraíba do Sul

A Bacia hidrográfica do rio Paraíba do Sul é a única que atende ao estado de São Paulo e não enfrenta dificuldades para suprir sua demanda. Isso ocorre porque sua vazão de 310 metros cúbicos por segundo conta com a ajuda de importantes rios de Minas Gerais, que não deixam o nível fluvial baixar.

Contudo, isto não significa que está livre de problemas. Os principais conflitos por suas águas provêm da sua “dupla dominalidade”, isto significa que está sob a tutela de Estados e União.


Aparecida Vargas, secretária-executiva do Comitê de Integração da bacia

“A gestão do Paraíba do Sul envolve o governo federal e os estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais. As necessidades e legislações distintas trazem ritmos e capacitações desiguais dos recursos”, destacou a secretária-executiva do Comitê de Integração da bacia, Aparecida Vargas. “Administrar a diferença é muito difícil.”

Ela também chamou a atenção para o pequeno número de indústrias que reutiliza a água – prática que torna o custo do recurso muito mais baixo. “Reaproveitar a água já usada pode ser um terço mais barato do que sua captação”, informou.

A Bacia do Paraíba do Sul é uma das mais importantes de toda a região sudeste brasileira; responsável por abastecer 14 milhões de pessoas, que correspondem a 10 % do PIB nacional. Um quarto da sua área de 55 mil quilômetros quadrados atende o estado paulista.

Confira nos links abaixo as palaestras na íntegra (arquivos em pdf):

  • Luiz Roberto Moretti

  • André Cordeiro

  • Maria Emília Botelho

  • Aparecida Vargas


  • Thiago Eid, Agência Indusnet Fiesp

    LEIA MAIS

    Água é questão-chave para planejar crescimento industrial, diz Fiesp/Ciesp

    Elekeiroz é a grande vencedora do 5º Prêmio de Conservação e Reúso de Água

    Região metropolitana de SP pede plano integrado para uso racional de recursos naturais



    INSTITUTO SOS RIOS DO BRASIL
    Divulgando, Promovendo e Valorizando
    quem defende as águas do Brasil!
    ÁGUA - QUEM USA, CUIDA!

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    Seja bem vindo e deixe aqui seus comentários, idéias, sugestões, propostas e notícias de ações em defesa dos rios, que vc tomou conhecimento.
    Seu comentário é muito importante para nosso trabalho!
    Querendo uma resposta pessoal, deixe seu e-mail.

    A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários. Portanto, não serão publicados comentários que firam a lei e a ética.

    Por ser muito antigo, o quadro de comentários do blog ainda apresenta a opção comentar anônimo; mas, com a mudança na legislação,

    ....... NÃO SERÃO PUBLICADOS COMENTÁRIOS DE ANÔNIMOS....

    COMENTÁRIOS ANÔNIMOS, geralmente de incompetentes e covardes, que só querem destruir o trabalho em benefício das comunidades FICAM PROIBIDOS NESTE BLOG.
    No "COMENTAR COMO" clique no Nome/URL e coloque seu nome e cidade de origem. Obrigado
    AJUDE A SALVAR OS NOSSOS RIOS E MARES!!!

    E-mail: sosriosdobrasil@yahoo.com.br